sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

O Caminho da Mão Esquerda


O conceito de Esquerda surgiu a partir da contestação de métodos e regras pré-estabelecidas e sedimentadas de como a busca espiritual deveria ser vivenciada, de modo que este modelo vigente passou a ser chamado de Direita e tudo que viesse a questioná-lo e subvertê-lo seria visto como um princípio "renovador", "reformador", oferecendo assim uma alternativa para aqueles que não se adequavam ou não aceitavam se adequar às tradições institucionalizadas.

Para melhor compreender a Esquerda podemos nos valer de uma definição que serve de contra-ponto ao Dogmatismo da Direita, podendo se dizer que além de questionadora, revolucionária e contestadora, a Esquerda será em essência principalmente "Pragmática".

O Pragmatismo, neste caso se define como uma referência norteadora que deveria servir como um princípio capaz de manter o indivíduo focado em sua objetividade e suas prioridades. Na prática acaba se manifestando muito mais como um reconhecimento crítico da ineficácia e falta de propósito no cumprimento de regras Dogmáticas praticadas pela Direita. Ou seja, ao invés de se fazer o que esteja determinado como sendo o correto, se estará fazendo aquilo que se julgar mais prático e objetivo.

Esta visão questionadora do Dogmatismo se estende ao conceito de "Lei Divina", embora nem sempre esta venha a ser contestada pela Esquerda ainda assim se estará fazendo releituras e como hábeis advogados estarão reinterpretando as "Leis" desconsiderando os acordos e convenções dos Dogmas.

Aqui neste caso as representações das mãos do "Bode de Mendes" demonstram o foco ideal deste Caminho como fundamentalmente libertário, sendo assim simbolizada essa liberdade pelo simbolismo da Sephira Chesed, que denota o conceito de "Direitos Naturais" do Indivíduo, este como merecedor de toda Benevolência e concessões atribuídas pela própria Natureza.

O conceito de Mérito é bastante presente no pensamento da Esquerda, em que tais dádivas são merecidas por terem sido alcançadas por esforço pessoal, de modo que a idéia de liberdade é vista como resultado de uma conquista do indivíduo que se liberta das regras Dogmáticas da Direita que acabam permeando a própria visão que a sociedade terá dos valores que a norteiam.

Na Esquerda o "vício" que se observa conforme mencionei no texto "Os Dois Caminhos" seria a "busca pelo Poder". Neste caso o enfoque se observa na simbologia da Sephira Netzach, em que se vê a questão da superação, a "Vitória sobre a morte" de modo que o impulso inconsciente que se manifesta aqui é o da individualidade, do ser que se distingue e se destaca do seu meio, a tendência de buscar ser exclusivo e diferente dos demais. Assim é comum neste Caminho temas relativos ao quanto o Caminho é Solitário, bem como são enaltecidos os triunfos pessoais, realizações, além de avaliações e comparações entre níveis de desenvolvimento, ou conceitos de superioridade.

No que se refere ao Caminho da Mão Esquerda a passagem do Gênesis que citei no texto da Direita, em que "as águas foram colocadas em um só lugar criando-se assim o elemento árido", esta figura árida, como costuma ser colocada nos simbolismos do "Deserto" enfatizam o individualismo, o isolamento, a solidão, além das provas e desafios a serem superados por aquele que trilha este Caminho, proporcionando com isso um sentimento de orgulho e satisfação com sua própria capacidade de superar obstáculos e de se colocar acima dos demais.

Este "vício" pelo Poder acaba se refletindo em certos aspectos do comportamento, como a ênfase no individualismo as vezes acaba por enfatizar o egoísmo, orgulho e tendências a discriminação, por se considerarem uma classe de seres superiores aos demais. É muito comum que adotem simbolismos relativos a guerras, batalhas, guerreiros, atribuindo uma visão competitiva ao desenvolvimento espiritual. Desde modo os preceitos da Sephira Chesed não são plenamente vivenciados, pois a liberdade da qual se julgam merecedores não consideram que seja algo a ser concedido àqueles que não "fizeram por merecer". Dando ênfase aos aspectos de luta e superação simbolizados por Geburah.

O conceito de Justiça acaba sendo distorcido pelo excesso de rigor, tornando a Esquerda muitas vezes menos libertária do que seria seu ideal. Muitas vezes na busca pela contestação aos valores da Direita a Esquerda acaba perdendo o Pragmatismo na criação de novos Dogmas contrários aos da Direita e essa postura leva até mesmo a questionar o próprio conceito de Divindade, pois aqueles que não se destacam de seu meio, aqueles que não superam seus iguais, são vistos como indignos do Poder e portanto vistos como "fracos" e assim extrapolam e generalizam os conceitos de modo a considerar que uma Divindade que conceda suas benesses a quem não tenha feito esforços para conquistá-las será então uma Divindade "fraca".

Com a criação desses conceitos de mera "oposição" à Direita a Esquerda perde a objetividade e acaba abrindo mão do Pragmatismo, desviando o foco daquilo que deveria ser a meta para todo aquele que buscasse combater um conceito que é a busca pela Verdade. Que na prática acaba sendo substituída pelo impulso de repelir conceitos cristalizados.

A nível supra-físico é possível se observar que diferentemente da Direita a Esquerda não costuma formar grupos de iguais. Não há o interesse em conforto, muitas vezes vemos entidades da Esquerda estabelecidas em "Castelos", "Fortalezas", "Quartéis", "Acampamentos", sempre assumindo uma postura defensiva, como se temessem se acomodar, como se com isso pudessem ser suplantados por oponentes.

Mesmo havendo influência do Caminho Iniciático na Esquerda, tanto no Oriente quanto no Ocidente veremos que o Pragmatismo leva a que se busque primeiramente a prática, muitas vezes desconsiderando-se completamente a teoria. A questão é que sem o embasamento teórico a prática muitas vezes deixa de se tornar tão eficaz quando almejariam aqueles que seguem por este Caminho. Acabam buscando principalmente por "receitas prontas" de como mover as forças da Natureza de acordo com sua "Vontade", que na maioria dos casos não se trata de Força de Vontade propriamente dita, mas sim a satisfação de caprichos e gostos pessoais. Há a ênfase no uso de ritualísticas mas não na prática do Sacerdócio.


Existe um enorme interesse por parte da Esquerda por Magia, sobre tudo nutrem grande simpatia pelos preceitos da Magia Negra, que por propor a manifestação no sentido do espírito para a matéria leva a falsa impressão de se tratar de algo mais "forte". No entanto, o enfoque individualista leva a que se negligencie requisitos fundamentais para a prática da Magia de modo geral e muitas vezes acabam se restringindo à prática do que alguns chamam de Magia Amarela, por negligenciarem valores como a Autoridade do Mago e o reconhecimento desta pelos seus pares para o exercício da Magia Negra propriamente dita. Na busca por triunfos e vitórias pessoais e por ter o enfoque apenas no indivíduo e na liberdade de seu isolamento acaba limitando o alcance de sua influência sobre aqueles que estejam ao redor.

Esse conceito da Magia Negra como algo que traz do espiritual para o material é visto com bastante interesse pela Esquerda, de modo que ocorre a tendência de buscarem por uma densificação, tornando-se menos sutis, menos espirituais, para assim vivenciarem melhor os Poderes da Natureza.

Existe a busca pelo reconhecimento, por alcançar um nível de superação e triunfo incontestável, de conquistar tamanho Poder que não haveria como ser negada sua superioridade. Mas aí surge um dilema, pois como poderia ser reconhecido senão por seus iguais e se toda a trajetória for pautada na repulsa por iguais jamais se alcançará esse nível de reconhecimento tão desejado.

Como resultado vemos uma tendência a ocultar seus prodígios, feitos e triunfos, como que negando querer reconhecimento e evitando igualmente a comparação com seus iguais, por não considerá-los como tal e por ver a todos como concorrentes, de modo que acabam se contentando apenas com a satisfação pessoal de quebrar seus próprios paradigmas sem se expor à opinião pública.

Mesmo que a princípio pareça haver muita hostilidade por parte da Esquerda, isto acaba por ocultar tendências protecionistas que frequentemente vêm a se manifestar, a partir do momento que o indivíduo se coloca acima dos que lhe rodeiam esta superioridade leva à se desenvolver um protecionismo um tanto vaidoso, por considerar que os que lhe rodeiam não são tão capazes quanto eles próprios de modo que dependeriam de sua "proteção". Não são considerados iguais, mas sim diferentes e justamente estariam sendo protegidos daqueles que lhe fossem iguais, pois na sua visão competitiva alguém que tivesse o mesmo potencial seria uma ameaça direta.

Isso gera um comportamento análogo ao da Direita em converter, que no caso da Esquerda poderia se considerar uma tendência a submeter, atrair para junto de si, para de baixo de suas "asas protetoras" aqueles que lhe sejam diferentes, que no caso são vistos como menos afortunados em seus triunfos, mas que estariam sob sua proteção, quando não a seu serviço, tornando-o com isso comparativamente superior e fazendo-o sentir ainda mais "poderoso".

A tendência ao desenvolvimento de Orgulho e Vaidade é presente tanto na Esquerda quanto na Direita e assim também em ambos haverão aqueles que conseguirão superar essas limitações, mas como já havia dito anteriormente o mérito será do indivíduo e não das tendências e impulsos aos quais esteja sujeito.


Em contra partida aos simbolismos da Direita, enquanto essa se associa à Luz a Esquerda é normalmente ligada aos simbolismos da Escuridão, que tradicionalmente teria significados relativos à Sabedoria e aos Mistérios, embora na prática o que costumo ocorrer seja a tendência da Esquerda em se opor aos preceitos da Direita, veríamos então conotações pelas quais se veria a Divindade dentro dos conceitos da Direita como uma manifestação "destituída de Poder" de modo que se buscaria por uma outra forma de Divindade oposta, oculta na Escuridão detentora de "Grande Poder". Ou seja, acabariam incorrendo nas mesmas distorções que a Direita com os conceitos de Luz, pois acabam por se contentar em sentirem-se poderosos por ter contato com uma fonte de Poder. Seria semelhante a quem se sinta forte por estar sob uma cachoeira e por sentir a força da água a lhe golpear, sem se dar conta de que essa força não é sua.

No caso da Esquerda é menos comum que se encontre grandes instituições, sendo que muitas vezes encontraremos ramos mais radicais, ou reformadores dentro das instituições da Direita, em outros casos veremos movimentos isolados, pois em muitos casos a partir do momento em que a instituição assume uma posição de destaque e reconhecimento na sociedade, esta acaba assumindo um direcionamento e uma estrutura que melhor seria definida como sendo de Direita.

Ainda assim veremos movimentos e instituições de Esquerda ligadas ao Satanismo, Caoismo, ordens mais extremistas da Igreja Católica como seria o caso da Opus Dei, seitas isoladas dedicadas à práticas de feitiçaria, alguns ramos do paganismo, xamanismo e asatru; alguns Terreiros dentro da Umbanda, do Candomblé, Quimbanda, Hudu entre outros; Escolas Esotéricas dedicadas à práticas de mentalismo; Ramos isolados de Yoga, ou tais como a Bon Po Tibetana; Alguns ramos rosa-cruz como a AMORC, ou mesmo ramificações como Thelema etc.

Por mais que possam haver instituições e movimentos alinhados com a conduta da Esquerda o mais comum é que se encontre indivíduos isolados com essa conduta muitas vezes não vindo a se organizar em grupos. Ou ainda encontrar movimentos de contra cultura, como o caso dos "Teóricos da Conspiração" por assumirem uma postura de contestação às instituições estabelecidas.

Aqui mais uma vez ressalto que o que foi classificado como "vícios" da Direita não implica em uma crítica à indivíduos ou instituições, mas sim apenas uma forma de analisar as tendências e impulsos inconscientes que nos levam a tal ou qual conduta.

8 comentários:

  1. Boa matéria.
    O que leva a ordem rosa cruz AMORC ser da via esquerda,já que ela se considera ser da direita?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Claudney,

      Obrigado pela consideração.

      No caso o que poderia dizer é que não exatamente as instituições seriam de direcionamento direita ou esquerda, mas que sejam propícios e/ou atrativos para pessoas com esses direcionamentos pessoais. Sendo assim a estrutura da AMORC por priorizar a prática, o desenvolvimento individual e um certo pragmatismo com relação ao conhecimento que a tornam bastante procurada e frequentada por pessoas de orientação esquerdista.

      Excluir
  2. Ótima série de textos.
    O que levaria a uma pessoa de orientação esquerdista a formar grupos entre semelhantes sendo estes considerados adversários e inimigos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A visão mais pragmática de quem segue a Mão Esquerda faz com que tudo seja visto de modo mais estratégico para se alcançar os seus próprios objetivos. Uma das razões para a criação de grupos desse tipo seria alcançar algum objetivo em comum. Ou ainda enfrentar inimigos em comum. Confiar um no outro poderá se menos importante, ou relevante do que as vantagens obtidas pelas próprias habilidades e conhecimentos do associado. Tudo é resolvido na esquerda por meio acordos e negociações. Tanto para indivíduos a nível Físico quanto no intercâmbio com outros mundos.

      Excluir
  3. Se, por exemplo, na bruxaria, eu conseguir ter uma auto-iniciação, como orientar a minha formação na Arte em bases do caminho da mão esquerda, Onde e com quem buscar essa orientação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Busque pela antiga arte da invocação, entre em contato com deuses e demônios, eles te orientarão neste caminho solitário e perigoso, mantenha seu ceticismo, mantenha seu questionamento, entenda que o que eles lhe trarão será a Verdade, mas apenas a parte que lhes cabe saber, servindo como referências para que você consiga se situar na existência, conhecendo a si mesmo em comparação a eles.

      Excluir
  4. Nossa! adorei o texto. Me identifiquei demais.
    Bem esclarecedor. O conhecimento que realmente importa e nos liberta é o oculto. abraços. Parabéns.

    ResponderExcluir

Não havendo requisição em contrário os seus comentários poderão ser publicados sem consulta prévia.